A expressão Arte Bruta foi criada pelo pintor francês Jean Dubuffet (1901-1985) em 1947 que também foi o primeiro teórico sobre o assunto e crítico de cultura. Caracterizou o trabalho produzido fora do sistema tradicional e profissional da arte, arte produzida por artistas autodidatas, livres de qualquer influência dos estilos  vanguardistas.

A arte bruta busca inspiração em fontes que diferem da tradição ocidental e da cultura dominante e, na maioria das vezes, é feita por pacientes de hospitais psiquiátricos ou detentos de prisões, que fazem arte na sua forma mais pura e inicial, com imagens vindas do inconsciente. Por isso, as obras parecem representar sentimentos, emoções e inconformismo.

Ao redor do mundo há diversos museus que expõem arte bruta.

 

O artista autodidata que desenvolve o seu trabalho criativo, sem influência da arte erudita ou mesmo da arte popular tradicional, responde a uma forte motivação intrínseca e muitas vezes utiliza materiais e técnicas inéditas e improváveis.

O Museu Miguel Bombarda, em Lisboa, aberto ao público desde 2004 e que se mantém após o encerramento do Hospital em 2011, exibe parte da mais antiga e maior coleção de Arte Outsider/Arte de Doentes de Portugal, com cerca de 5000 obras, abrangendo todas as décadas do século XX, incluindo autores como Jaime Fernandes, José Gomes, Joaquim Demétrio e o poeta-pintor Ângelo de Lima, publicado na Orpheu por Fernando Pessoa.

 


Referências:

http://artecontemporanea0.blogspot.com.br/2013/09/arte-bruta-e-arte-informal.html. Consultado em 09-07-17.

http://www.zupi.com.br/art-brut/. Consultado em 09-07-17.