(MAIS ACESSADO SETEMBRO) Eis aqui a publicação mais acessada! Durante o mês de SETEMBRO   esta foi a publicação que despertou o maior interesse entre nossos amigos com 135 acessos! De tempos em tempos haverá este termômetro! Obrigada pelo apoio e carinho, por todas as mensagens e pelos leitores assíduos (ou passageiros). Não deixe de nos acompanhar e experimente um pouco do que passa “pela mente” dessa que vos escreve…


O Termo “Assemblage” deriva do francês assembler – reunir, juntar, acumular. Foi incorporado às artes em 1953, cunhado por Jean Dubuffet (1901 – 1985) para fazer referência a trabalhos que, segundo ele, “vão além das colagens”. O princípio que orienta a elaboração de assemblages é a “estética da acumulação”: todo e qualquer tipo de material pode ser incorporado à obra de arte.

A ideia forte que ancora as assemblages diz respeito à concepção de que os objetos díspares reunidos na obra, ainda que produzam um novo conjunto, não perdem o  sentido original. Menos que síntese, trata-se de justaposição de elementos, em que é possível identificar cada peça no interior do conjunto mais amplo.

Esse tipo de obra artística já vinha sendo produzida desde o começo do século 20, como nas colagens cubistas feitas por Pablo Picasso e Georges Braque, nas esculturas dos futuristas e no dadaísmo, sobretudo pelo ready-made de Marcel Duchamp.

Assemblages foram também realizadas no interior do chamado Novo Realismo da década de 1960, que tem como princípio a utilização de imagens triviais do imaginário da sociedade de massas e objetos de uso cotidiano (cartazes publicitários, imagens cinematográficas, fotos de revistas, plásticos, luzes néon etc.), trabalhados com base na idéia de bricolagem. Destacam-se os nomes de Arman (1928), conhecido por suas assemblages de objetos descartados (Arteriosclerose, 1961, e Acumulação de Bules Partidos, 1964) e Domenico Rotella (1918), que trabalha com cartazes publicitários rasgados (O Asfalto na Noite, 1962). No Brasil, é possível localizar procedimentos próximos ao da assemblage em alguns trabalhos de Wesley Duke Lee (1931-2010)Nelson Leirner (1932) e Rubens Gerchman (1942-2008) como O Rei do Mau Gosto (1966) – com tecido, vidro, asas de borboleta e tinta acrílica – Rochelle Costi (1961) – Toalha, Vegetais Mofados e Toalha, Flores Mortas (ambos de 1997) – e Leda Catunda (1961), Jardim das Vacas (1988) e Camisetas (1989).


Referências:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Assemblage. Consultado em 27-01-2018.

https://www.historiadasartes.com/olho-vivo/atelie/assemblage/. Consultado em 27-01-2018.

http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo325/assemblage. Consultado em 27-01-2018.

http://ensinandoartesvisuais.blogspot.com.br/2007/07/familiarizando-se-com-arte-contempornea.html. Consultado em 27-01-2018.